Thursday, November 04, 2010

Tripalium

Uma das coisas que mais me intriga no discurso de algumas pessoas é a importância primordial referida ao trabalho. Isso tem me incomodado muito porque minha jornada semanal inclui 6 disciplinas de Psicologia na universidade, mais 20 horas de monitoria de pesquisa, mais 10 horas como telefonista/recepcionista numa rádio aos fins de semana e feriados. E aí vem alguém me dizer que, se eu fizer menos disciplinas, poderia trabalhar mais no próximo semestre. HELLOU? Peraí!! Quem disse que eu quero trabalhar mais?
Quando chego em casa do trabalho, percebo como meus avós ficam felizes e orgulhosos “Olha só que esforçada, ela trabalha no domingo de manhã! Essa é minha neta!” Mas na real eu acho uma bosta trabalhar no fim de semana. Mas não tenho muita escolha, afinal, não nasci em berço de ouro e minha faculdade é diurna, ficando difícil encontrar um emprego fixo.
Sempre considerei um grande erro da humanidade esse valor exagerado dado ao trabalho. As pessoas não vivem para trabalhar. Gente, O TRABALHO NÃO É O SENTIDO DA VIDA! Para aqueles que crêem em Deus, me respondam: porque ele criaria a natureza e um mundo tão bonito se as pessoas ficam 44 horas semanais trancadas numa fábrica? Para aqueles que não acreditam: se um dia tudo vai acabar em nada mesmo, porque a gente fica se massacrando diariamente? A vida é agora.
A contagem regressiva dos brasileiros para os feriados, para as férias, reflete o exagero da carga de trabalho a que estamos submetidos. Não é preguiça, não é falta de vontade de trabalhar: é excessividade. Quando utópicos como eu falam em reduzir a jornada de trabalho, defensores do liberalismo econômico riem. Mas o fato é que cada vez menos pessoas estão se submetendo a trabalhos exaustivos em troca de salários mínimos e condições piores ainda. Para mim, longe de ser um direito, o trabalho é uma obrigação.

5 comments:

Lobo da estepe said...

Tens razão. Minha família idolatra o trabalho como uma religião qualquer idolatra a fé pela salvação da alma.
Em geral, o sistema nos obriga a sobrevive, não a viver.


Belo post :)

Karen said...

Totalmente apoiada, Van.

o trabalha realmente é superhiperultramegavalorizado na sociedade capitalista de hoje.

So sad ¬¬

Vaquel said...

Tu nunca me contou que tinha um blog... e eu descubro assim: tcharan! E ai eu pergunto, tem espaço na Van?

ana raquel said...

e além de tudo, o trabalho impede o trabalho do pensar em si,no mundo, na vida como um todo...

estava eu fuçando algumas coisas na internet e eis que encontro além de suas palavras, a imagem do header de seu blog, e gostaria de pedir-lhe a autorização para usá-la no twitter.
Não trabalho aos excessos(rsrs) mas me meti numa de fechar "vans" e afins para ir a eventos ligados às artes em geral,cujo nome do projeto chama-se Espaço na Van.
Agradeço desde já e aguardo contato.

estou no twitter: @anaemraquel

hahaha,que coisa não?!
bjs!

Tamara said...

Concordo contigo Vania. Mas a coisa + importante q aprendi ao ser estagiária numa empresa é que o trabalho é sim o sentido da vida de muita gente, e pasmem, às vezes o único. E daí vem a importância da nossa profissão: Tornar o trabalho um bom momento e mostrar possibilidades para além dele.